Brasil na alienação dos sentidos negativos da política, corrupção generalizada, a falta de reforma política... o ficha limpa não passa o Brasil a limpo!

Enfim, este país de vossas excelências, as mariposas políticas, o povo vive de utopia, pela miséria controlada afim de eleições e reeleições, donde o dinheiro público é investido ao bem patrimonial de políticos; e os jovens se perdem em redes sociais falando que vão ao banheiro!


janeiro 31, 2012

Pois é! Autoridades!



A Polícia Militar de Santa Catarina abriu uma sindicância para apurar uma imagem que repercutiu nas redes sociais na segunda-feira (30) em que soldados aparecem fazendo brincadeiras em Florianópolis com uma escultura da Cow Parade, que reúne vacas esculpidas em fibras de vidro espalhadas por diversos pontos da cidade.

As fotografias teriam sido feitas em novembro de 2011 no Mercado Público de Florianópolis e, segundo a assessoria de imprensa da PM, só vieram ao conhecimento do público agora.

Quatro PMs e dois carros oficiais aparecem nas imagens. Segundo a corporação, os envolvidos já foram identificados e uma sindicância irá apurar as circunstâncias nas quais as imagens foram feitas. Durante a investigação, os soldados podem ser afastados das ruas.

A Polícia Militar de Santa Catarina informou que o fotógrafo foi chamado para ser ouvido pela Corregedoria e a sindicância irá verificar se eles infringiram normas do regulamento disciplinar.



janeiro 27, 2012

Presidente de órgão nacional contra seca pede demissão após acusações

O presidente do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas deixou, nesta quinta-feira (26), o cargo, suspeito de irregularidades e de beneficiar o estado dele na distribuição de recursos federais.

O destino do diretor-geral do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas foi decidido em uma reunião a portas fechadas entre Elias Fernandes e o ministro da Integração, Fernando Bezerra.

Oficialmente, Elias pediu demissão por causa da reestruturação dos quadros das empresas ligadas ao Ministério, como o Dnocs. O secretário nacional de Irrigação, Ramon Rodrigues, assume interinamente.

Elias Fernandes deixou o cargo depois do desgaste provocado pela auditoria da Controladoria Geral da União, que apontou irregularidades de mais de R$ 300 milhões no Dnocs e favorecimento de municípios do Rio Grande do Norte. Estado dele e base eleitoral do líder do PMDB Henrique Eduardo Alves, padrinho político de Elias - que negou as irregularidades.

Henrique Alves criticou o relatório da CGU e resistiu à demissão de seu afilhado – em um tom considerado pelo Palácio do Planalto como de ameaça. A saída foi negociada pelo ministro da Integração, Fernando Bezerra e pela chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, diretamente com o vice-presidente, Michel Temer.

Além do Dnocs, o PMDB tem reclamado de perda de espaço para o PT dentro do governo. “Isso demonstra que é necessário o PMDB, inclusive, impor uma postura capaz de fazer valer o seu tamanho e a sua participação dentro do governo”, afirmou o deputado Danilo Forte, do PMDB-CE.

O líder do PT no senado diz que a divisão de poder é equilibrada. “A presidente Dilma tem buscado estabelecer um equilíbrio entre todos os partidos que compõem a base de sustentação do governo. Creio que o PMDB está bem contemplado também nesse papel”, disse o senador Humberto Costa, do PT-PE.


janeiro 19, 2012

Dilma começa a fazer mudanças fatiadas nos ministérios

[Foto: O GLOBO / MARCOS ALVES ]

Cristiana Lôbo

O governo anunciou na tarde desta quarta-feira (18) que o ministro Aloizio Mercadante sai da pasta de Ciência e Tecnologia para a da Educação. Fernando Haddad deixa a vaga para disputar o cargo de prefeito de São Paulo na eleição municipal deste ano. Marco Antônio Raupp, atual presidente da Agência Espacial Brasileira, vai assumir o lugar de Mercadante.

A presidência da República divulgou uma nota oficializando essas mudanças, na qual Dilma agradece o empenho e a dedicação de Fernando Haddad no Ministério da Educação e faz um elogio ao ex-ministro à frente das ações que “transformaram a educação brasileira”. A presidente deseja ainda sucesso a ele em projetos futuros e diz que espera de Mercadante o mesmo desempenho que ele teve no Ministério da Ciência e Tecnologia.

Cristiana Lôbo destaca que a presidente Dilma começa a fazer mudanças fatiadas nos ministérios e essa reforma se inicia para preencher os cargos dos ministros que vão disputar as eleições. A comentarista lembra que Dilma precisa escolher ainda uma nova secretária para a Secretaria das Mulheres e deve trocar o ministro das Cidades. “Ela procura um nome do Nordeste e do PT, para agradar a bancada do PT”, conta. A posse dos ministros está marcada para o dia 24 de janeiro.


Passemos o Brasil a limpo. Estas mudanças nos ministérios mais parece uma troca de alhos por bugalhos, além de querer agradar bancada? E a nação?


janeiro 12, 2012

O ministro Bezerra, seu filho, seu tio, seu irmão, o sogro do seu filho e o tio da mulher do filho…

Por Luciana Marques, na VEJA Online:

“Quem ama cuida” diz o ditado popular, que poderia ter sido inspirado no ‘amoroso’ ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra. Ao assumir a pasta, ele não se esqueceu dos mais próximos. Pensou no filho, no tio, no irmão, no sogro do filho e até no tio da mulher do filho. Juntos, os personagens quase completam um álbum de família. Entre as acusações que pesam contra Bezerra estão o nepotismo, já que diversos parentes do ministro ocupam cargos públicos. O titular da Integração também é acusado de favorecer o filho, que é deputado federal, na liberação de recursos alocados por meio de emendas parlamentares.

O artigo 37 da Constituição Federal de 1988 elenca os princípios que devem nortear a administração pública: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Uma súmula aprovada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2008 proíbe a contratação de parentes de autoridades para cargos de confiança, de comissão e de função gratificada no serviço público.

Comissão de Ética

As regras de conduta estabelecidas pela Comissão de Ética Pública da Presidência também desautorizam o nepotismo: “Em nenhuma hipótese pode o agente público nomear, indicar ou influenciar, direta ou indiretamente, em entidade pública ou em entidade privada com a qual mantenha relação institucional, direta ou indiretamente, na contratação de parente consanguíneo ou por afinidade, até o quarto grau, ou de pessoa com a qual mantenha laços de compadrio, para emprego ou função, pública ou privada”.

Embora negue que sua atuação vá de encontro às normas citadas, Bezerra cedo ou tarde terá de se explicar. A Comissão de Ética Pública da Presidência tem o poder de avaliar cada caso. Espera-se que na próxima reunião do grupo, marcada para o dia 13 de fevereiro, o assunto não seja ignorado. A conferir.


janeiro 10, 2012

Destaques em embalagens...

Passemos o Brasil a limpo, já que colocam fotos de gente morta nos maços de cigarros, por que não colocar também:

Gente obesa em pacotes de batata frita...

Animais torturados nos cosméticos...

Acidentes de trânsito nas garrafas e latas de bebidas alcoólicas...

Gente sem teto nas contas de água e luz...

Políticos corruptos nas guias de recolhimento de impostos?

PM afasta policial que sacou arma para estudante na USP



O verdadeiro motivo da PM na USP é finalmente documentado...PM, ao cumprir as designações antidemocráticas do reitor João Grandino Rodas, agride aluno arbitrariamente.

Publicado no G1

O policial que sacou uma arma e ameaçou um estudante no campus da USP, na Zona Oeste de São Paulo, nesta segunda-feira (9), foi afastado da corporação pela cúpula da PM. A confusão foi gravada por estudantes e o vídeo acabou na internet.

Segundo o coronel Wellington Venezian, comandante do policiamento na Zona Oeste da capital, um outro soldado que estava no local também foi afastado. As imagens mostram o momento em que alunos, guardas universitários e o policial conversam próximo ao prédio que pertenceu ao DCE e que foi desocupado na quinta (5). O PM pergunta a um dos jovens se ele é aluno. O homem diz que é, mas o policial insiste e pede para que mostre a carteirinha da universidade. “Tenho minha palavra”, respondeu o rapaz.

O jovem é puxado com força pelo PM, que saca a arma e a coloca de volta no coldre. Os guardas e os alunos pedem calma e o jovem é levado para a frente do edifício. Lá, recebe mais alguns empurrões e um tapa.

Em entrevista realizada no fim desta tarde no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar, no Centro de São Paulo, o coronel classificou o fato como grave. Ele disse que a polícia não concorda com a atitude de “força e violência”.

A PM também determinou a abertura de uma sindicância para investigar o incidente. A sindicância dura 40 dias e pode acarretar desde uma repreensão até a expulsão dos policiais da corporação.

O coronel afirmou que o policial vai passar por um acompanhamento psicológico. Ele disse que ele não tinha histórico de abuso de autoridade. Ele atua na USP desde que o convênio entre a universidade e a PM foi firmado. A corporação classificou a atitude como desequilíbrio emocional.

Conversei com o sargento e ele disse que foi desobedecido. Ele reconheceu que ficou muito nervoso e perdeu o controle emocional”. Os estudantes envolvidos devem ser convidados a falar na sindicância.

Em outro vídeo divulgado pelos estudantes, o policial envolvido diz que não fez “nada de errado”. “Que agredi, o quê”, respondeu ao ser indagado por um aluno. “Você está me provocando? Vai fazer denúncia. Vai fazer denúncia”, afirmou. Uma jovem quis ver o nome e a patente do policial, mas ele retirou a identificação da lapela. “Por que você quer ver meu nome? Não quero mostrar o meu nome”.

No segundo vídeo, o jovem agredido também dá sua versão. “Eu estava ali, argumentando com o senhor tenente André e ele pediu para eu mostrar a carteirinha. Eu disse que não ia mostrar e quando eu mostrei a carteirinha, ele me soltou”. Em seguida, ele mostra dois documentos que comprovam que estuda mesmo na USP.

Sindicalista vê racismo

Segundo Diana Assunção, diretora do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), o jovem é estudante da USP-Leste. “Toda a mobilização contra a presença da PM na USP no ano passado se expressou hoje [segunda-feira] com um policial sacando uma arma. Talvez ele não tenha matado porque não estava na favela”.

Para ela, o policial foi racista, pois o jovem abordado é negro. “Foi um ato de racismo. Começou a ser truculento com o rapaz achando que ele não era um aluno. Mesmo que não fosse, não poderia ocorrer dessa forma”.

O policial negou que tenha sido preconceituoso na abordagem: “O que você sabe de racista? O que você está falando de racista? Ele me desacatou”, disse a um aluno que questionava a maneira como agiu.

Diário Oficial traz nomeação de substituto de irmão de ministro


A presidenta Dilma Rousseff reagiu ontem à crise do Ministério da Integração Nacional com medidas para evitar desgaste político no início do seu segundo ano de mandato. A principal delas saiu no Diário Oficial da União: a nomeação de Guilherme Almeida, como novo presidente da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco (Codevasf). Ele é indicado pelo PT do Piauí.

Estatal subordinada ao Ministério da Integração, a Codevasf vinha sendo presidida por Clementino Coelho. Ele é irmão do ministro da Integração, Fernando Coelho, que, desde a semana passada, é alvo de críticas por privilegiar seu Estado de origem, Pernambuco, com obras e medidas preventivas contra enchentes.

Além da nomeação do novo presidente da estatal, Dilma reuniu sete ministros para definir e depois anunciar medidas antienchetes e desastres provocados pelas chuvas de verão. Reforçou a necessidade de se defender Fernando Coelho, o ministro da Integração. .

A substituição na Codevasf foi motivada por denúncias de que Clementino e Fernando Coelho teriam se beneficiado pelo fato de o segundo ser, formalmente, subordinado ao primeiro _o nepotismo, porém, não ficou configurado porque Clementino chegou à estatal antes da nomeação de Fernando na pasta.

A principal acusação contra os dois envolveu outro integrante da família, o deputado federal e filho do ministro da Integração, Fernando Coelho Filho (PSB-PE). Ele apresentou emendas ao Orçamento para projetos da Codevasf e conseguiu receber os pagamentos em tempo recorde pelo ministro da Integração. Coelho nega e argumento que todos os pagamentos tiveram aval da Casa Civil

Na sexta-feira passada, a Casa Civil já havia saído em defesa de Clementino e Fernando Coelho. Por meio de nota, a ministra Gleisi Hoffmann afirmou que a substituição de Clementino por Almeida já havia sido encaminhada pelo ministro da Integração há 50 dias.

“Em que pese Almeida já ocupar o cargo estatal, a assunção à presidência do órgão exige novas consultas, conforme determina a legislação”, explicou a ministra na nota. Dois dias antes, Gleisi já havia negado ter recebido ordens de Dilma para intervir na Integração.